Da Base

09:16 | 22/07/2018
Brasil
  • Com maior vencedora na disputa, fase final da Euro Sub-19 começa nesta segunda-feira

    por DaBase Gringa em 16.jul.2018 às 5:53h

    A partir desta segunda-feira (16), oito seleções vão a campo na Finlândia para a disputa da fase final do Campeonato Europeu da Juventude da UEFA, a “UEFA Under 19 Championship”.

    No Grupo A estão Finlândia, Itália, Noruega e Portugal. França, Inglaterra, Turquia e Ucrânia formam o Grupo B. Após turno único (três rodadas), os dois primeiros colocados de cada avançam às semifinais e os vencedores decidem o título.

    Por ser o país-sede, a Finlândia não entrou em campo em nenhuma das duas fases de classificação. Seu melhor resultado é um vice-campeonato em 1975.

    A Itália, três vezes campeã (1958, 1966 e 2003), ficou em primeiro lugar no Grupo 9 na primeira fase, vencendo Suécia, Moldávia e Estônia. Na etapa seguinte, pelo Grupo 3, eliminou Polônia, Grécia e República Tcheca, com duas vitórias e um empate. Ao todo são 16 gols marcados e sete sofridos. Destaque para o atacante Gianluca Scamacca, do Sassuolo, que com cinco gols, foi um dos artilheiros da segunda fase.

    A Noruega, que jamais foi finalista, é uma das surpresas da competição. Após ficar em primeiro lugar no Grupo 12 na primeira fase, à frente de Ucrânia, Montenegro e Albânia, eliminou Alemanha, Escócia e Holanda na etapa seguinte, pelo Grupo 1. Ao todo são quatro vitórias e duas derrotas, com 22 gols feitos e 15 sofridos. O atacante Erling Håland, do Molde, de apenas 17 anos, é o artilheiro geral desta edição, com nove gols (quatro na primeira fase e cinco na segunda).

    Vice-campeão pela sétima vez em 2017, Portugal não disputou a primeira fase por ser uma das sedes da segunda. Campeão em três oportunidades (1961, 1994 e 1999), eliminou Irlanda, Kosovo e Eslováquia, com três triunfos, fazendo dez gols e levando nenhum, no Grupo 5.

    Dona de oito troféus (1949, 1983, 1996, 1997, 2000, 2005, 2010, 2016), a França é mais uma que chega invicta à fase final. Primeira colocada do Grupo 11 na primeira fase, à frente de Bósnia, Geórgia e Andorra, com duas vitórias e um empate, também ficou em primeiro no Grupo 6 da segunda fase, eliminando Espanha, Bélgica e Bulgária, com três triunfos. Ao todo são 19 gols feitos e seis sofridos.

    Atual campeã, ao vencer Portugal por 2 a 1, na Geórgia, em 2017, a Inglaterra é também a detentora da maior quantidade de títulos no torneio: dez (1948, 1963, 1964, 1971, 1972, 1973, 1975, 1980 e 1993 foram os outros). Nesta edição ainda não perdeu. Primeira colocada no Grupo 8 na primeira fase, com vitória sobre Bulgária, Islândia e Ilhas Faroe, eliminou Letônia, Hungria e Macedônia no Grupo 2 da segunda fase, com dois triunfos e um empate. Até aqui marcou 16 gols e levou quatro. Destaque para o atacante Edward Nketiah, do Arsenal, um dos artilheiros da primeira fase, com cinco gols.

    A Turquia, campeã em 1992 e vice em 1993 e 2004, é a única finalista a não ter ficado na liderança de sua chave na primeira fase. Foi segunda no Grupo 13, que tinha também Eslováquia, Cazaquistão e País de Gales, com duas vitórias e uma derrota. Na segunda fase, pelo Grupo 7, eliminou Dinamarca, Áustria e Bósnia, com dois triunfos e um empate. Fez, ao todo, 12 gols e levou seis, com destaque para o atacante Muhayer Oktay, do Fortuna Düsseldorf, da Alemanha, vice-artilheiro na segunda etapa, com quatro bolas na rede.

    A Ucrânia, campeã em 2009 e vice em 2000, ainda não perdeu nesta edição. Primeiro ficou na liderança do Grupo 12, à frente de Noruega, Montenegro e Albânia, com três triunfos. A seguir, a primeira colocação no Grupo 4 na segunda fase, eliminando Romênia, Sérvia e Suécia, com duas vitórias e um empate. São 11 gols marcados e apenas três sofridos.

  • Senegal é a única seleção com mais de um jogador com menos de 20 anos de idade na Copa da Rússia

    por DaBase Gringa em 7.jul.2018 às 9:36h

    A Copa do Mundo que está em andamento teve 736 atletas convocados (23 em cada uma das 32 seleções), porém o número de jogadores com idade inferior a 20 anos é muito baixo: dez ao todo.

    O mais novo da lista é o atacante australiano Daniel Arzani, que defende o Melbourne City, da Austrália. Nascido a 04 de janeiro de 1999, o camisa 17, de 1,71m e 73kg, recentemente competou 19 anos.

    Outros nove fizeram ou farão 20 anos ainda em 2018. Destaque para Senegal, com dois nomes: o atacante Ismaila Sarr, do Rennes, da França, que nasceu no dia 25 de fevereiro de 1998, e o defensor Moussa Wague, do KAS Eupen, da Bélgica, que veio ao mundo a 04 de outubro de 19998.

    Os demais são o sul-coreano Seungwoo Lee, do Hellas Verona, da Itália (06/01/1998); o costa-riquenho Ian Smith, do IFK Norrkoping FK, da Suécia (06/03/1998); o panamenho José Luis Rodríguez, do KAA Gent, da Bélgica (19/06/1998); o inglês Alexander-Arnold, do Liverpool, da Inglaterra (07/10/98); o nigeriano Francis Uzoho, do Deportivo La Coruña, também da Espanha (28/10/1998); o marroquino Achraf Hakimi, do Real Madrid, da Espanha (04/11/1998); e o badalado francês Kylian Mbappé, do Paris Saint-Germain, da França (20/12/1998).

    Outros seis jogadores são nascidos em 1997 e completarão 21 anos após a disputa do Mundial: o dinamarquês Kasper Dolberg (06/10/1997), do Ajax, da Holanda; o inglês Marcus Rashford (31/10/1997), do Manchester United, da Inglaterra; o mexicano Edson Álvarez (24/10/1997), do Club América, do México; o marroquino Hamza Mendyl (21/10/1997), do Lille OSC, da França; e os sérvios Nikola Milenkovic (12/10/1997), da Fiorentina, da Itália, e Luka Jovic (23/12/1997), do Eintracht Frankfurt, da Alemanha.

    Dentre os 23 nomes escolhidos pelo técnico Tite para defender a Seleção Brasileira, o mais novo é Gabriel Jesus, atacante do Manchester City, da Inglaterra. Ele nasceu no dia 03 de abril de 1997.

  • Porque futebol bom é futebol além do Brasil; vamos falar de talentos gringos

    por DaBase Gringa em 29.jun.2018 às 11:14h

    É com grande satisfação que passo a fazer parte dos colunistas deste site para o qual escrevo notas desde o fim de 2016.

    Escrever sobre futebol não é uma tarefa simples, pois envolve vários sentimentos; redatar sobre categoria de base é ainda mais complicado, porém fui em busca de um desafio maior e, portanto, o que proponho aqui é grande: escrever sobre o futebol de base pelo mundo.

    Num período em que pouca gente lê e não opina, conto com a sua participação, expondo suas ideias, mesmo em tempo de “fake news” e uma expressão que li e gostei: “sanitários digitais”.

    Seja sobre campeonatos, clubes ou jogadores, semanalmente tudo o que tiver passado durante aqueles sete dias mundo afora e que valha nossa observação será registrado aqui neste espaço.

    Como saber se o universo inteiro dá valor às categorias de base? Seja um jornalismo informativo, investigativo ou opinativo, neste espaço a razão virá sempre antes da emoção, pois nem tudo que se sente deve ser escrito.

    Nos últimos anos, a CBF, que comanda o nosso futebol, tem procurado dar cada vez mais abertura às competições de base, assim como as emissoras de tv, que durante muito tempo “viam” apenas a Copa São Paulo de Futebol Júnior.

    Desde 2016, o DaBase tem um ranking, atualizado trimestralmente, envolvendo todas as competições que vão desde o sub-11 até os aspirantes, no Brasil (desde que com pelo menos quatro clubes profissionais) e no mundo (com a presença de ao menos dois brasileiros).

    É uma ótima medição para sabermos quem é somente formador, quem é ganhador e quem é “o rei da base”.

    E no exterior?

    Com a Libertadores da América Sub-20 realizada a cada dois anos “seus problemas acabaram” para saber quem fará frente às nossas equipes, assim como acompanhar de perto a “UEFA Youth League” (a Liga dos Campeões da Europa na categoria sub-19) e as competições internacionais envolvendo seleções.

    Nada escapará dos nossos olhos, sejamos gringos ou não. Bem-vindos!

DaBase Gringa

DaBase Gringa
Vinicius Fernandes é um verdadeiro amante da bola. Estudioso, pesquisador, trabalha comunicando sobre futebol de base há quase vinte anos e crava que não tem dia nem hora pra largar esse vício de mão. É professor de língua espanhola e tradutor especialista em esportes. Têm como case a tradução para o português do livro "La pelota no entra al azar", de Ferran Soriano, ex-dirigente do Barcelona-ESP. Carioca, pai de família, quase quarentão, tem experiência de sobra e o passaporte cheio de registros. Foi nessas andanças em territórios fora do Brasil que veio a paixão por futebol internacional e, pasmem, pelo seu time do coração: o Real Zaragoza-ESP. Aqui no DaBase Gringa, une as únicas três coisas que conseguem fazer se distrair sem estar com a família: futebol, categorias de base e mundo. Boas leituras!

Da Base