Da Base

03:48 | 17/12/2018
Brasil
30/09/2015 às 20:34 - Por Redação

Técnico do Corinthians Sub-17 aponta potenciais ídolos do Timão

Márcio Zanardi vê safra de 98 com bons olhos e acredita no sucesso dos jovens nas próximas categorias

Márcio Zanardi (Foto: divulgação)

Márcio Zanardi (Foto: divulgação)

Campeão das duas principais competições Sub-17 no ano: o Mundial, em Madrid, e a Taça BH, o técnico da categoria no Corinthians, Márcio Zanardi, vem realizando um trabalho digno de elogios. Contudo, para conseguir o sucesso obtido no Timão, o treinador usou de uma vasta experiência na função, adquirida desde o Grêmio Osasco, passando por Lituânia e Emirados Árabes, até a chegada no Alvinegro.

De lá para cá, se inspirou em nomes como Telê Santana e segue buscando aperfeiçoamento se espelhando em Tite. Mas Zanardi quer mais… Em um bate-papo com o Portal DaBase, ele revelou quais são suas ambições no Coringão e, dentre outros assuntos, apontou quem são os atletas da categoria que podem alcançar o status de ídolo do clube no futuro; confira a entrevista exclusiva.

DaBase: Faça um breve histórico da sua carreira.

Márcio Zanardi: Comecei minha carreira como atleta do São Paulo, infantil e juvenil, onde fiquei por quatro anos e depois joguei mais um ano no Palmeiras. Parei no junior. Comecei minha carreira como treinador em faculdades e depois fui logo para o Grêmio Osasco, já no Sub-11 e 13. Fui para a Lituânia e fiquei nove meses no Sub-16, depois trabalhei três anos e meio nos Emirados Árabes, no Al Nasr, categorias Sub-13, 15, 17 e 20. Em 2010, recebi uma proposta do Marcelinho Paulista para vir para o Corinthians, mas era para avaliação. Aceitei o desafio, entrei e fui trabalhando, estudando e aproveitando as oportunidades. Passei pelo Sub-11, 13, 15, auxiliar do Sub-17 e Sub-17 até hoje.

DB: Quem foi sua grande inspiração na carreira como técnico? Hoje, você tem um ídolo, um treinador que você considera como referência?

MZ: Minha inspiração foi o Sr. Telê Santana, pois tive o prazer de trabalhar e aprender um pouco com ele no São Paulo. Referência… Sem dúvida nenhuma hoje é o Tite.

DB: Seu irmão, Caio Zanardi, já passou pela Seleção Brasileira de base. O que você, como alguém tão íntimo, conseguiu extrair dessa experiência dele? Pretende chegar ao cargo?

MZ: O Caio é um profissional incrível. Ele sempre me contava que a pressão na Seleção era grande e que sempre precisava de resultados. Sim, trabalhamos sempre para crescer profissionalmente.

DB: Você teve uma trajetória vencedora no time sub-15 do Timão antes de ser promovido ao time sub-17. Qual a grande diferença de uma categoria para outra?

MZ: Ganhamos quase tudo no Sub- 15, foi uma experiência ímpar, mas no Sub-17 você já está mais próximo do profissional. Os atletas já estão mais maduros e conseguimos aplicar um pouco mais da parte tática. As responsabilidades são maiores também (risos).

DB: Já no Sub-17, você conquistou títulos importantes. Cite quais foram eles e a importância de cada um para a sustentação do seu trabalho no clube.

Títulos importantes pelo Timão (Foto: arquivo pessoal)

Títulos importantes pelo Timão (Foto: arquivo pessoal)

MZ: Fomos Campeões Mundiais em Madrid, em maio; campeões da BH Cup, em julho… Ganhamos os dois títulos mais importantes no ano, na categoria Sub-17. Com certeza isso nos dá mais tranquilidade para trabalhar, mas time grande é time grande. Já temos que focar na próxima competição.

DB: Quais são as metas do time Sub-17 do Corinthians para o futuro?

MZ: Sem dúvida nenhuma, promover atletas para o Sub-20 e para o profissional.

DB: Muitos dos meninos que você trabalhou no Sub-15 estão com você agora na categoria Sub-17. Até que ponto isso ajuda no desenvolvimento do seu trabalho?

MZ: Ajuda bastante, pois conseguimos dar sequência no trabalho. Eles me conhecem muito bem, sabem a forma que gosto de trabalhar e, principalmente, acreditam no que quero passar para eles.

DB: Quem acompanha a base corinthiana diz que a geração 98/99 é bastante promissora, uma das melhores dos últimos anos. Por que você acha que as pessoas depositam tanta confiança nesses meninos?

MZ: Sem dúvida nenhuma é uma das melhores gerações aqui no clube. É uma geração comprometida, com muita bagagem, muita qualidade técnica e uma geração que gosta de ser campeã.

DB: O Márcio Zanardi tem uma filosofia de trabalho? Qual é?

MZ: Tenho sim: ser sério, honesto, verdadeiro e amar o que faço.

(Foto: divulgação)

(Foto: divulgação)

DB: E o Corinthians, qual a filosofia do clube para as categorias de base?

MZ: Revelar atletas para o profissional e desenvolver cidadãos.

DB: A saída do Matheus Cassini para o futebol europeu, antes mesmo da estreia no time profissional, gerou bastante repercussão. Os críticos diziam que Tite e o Corinthians têm aproveitado pouco os talentos da base. Percebe-se que isso está mudando aos poucos. Depois desse caso, houve uma mudança de pensamento e postura?

MZ: Hoje o Edu Gaspar, o Alessandro e os nossos diretores nos dão a maior liberdade para acompanharmos os treinos do profissional. Eles estão muito mais presentes na base. Tenho liberdade com o Alessandro de discutir sobre todos os assuntos e a integração base e profissional hoje realmente existe.

DB: O torcedor sempre quer saber de quem pode surgir da base corinthiana. Quem você pode apontar como potencial ídolo da massa alvinegra?

MZ: Temos muitos que passaram e estão aqui comigo: Matheus Pereira, Léo Jabá, Pedrinho, Renan Areias, Léo Santos e Fabrício Oya.

Técnico tem obtido sucesso à frente da equipe Sub-17 alvinegra (Foto: divulgação)

Técnico tem obtido sucesso à frente da equipe Sub-17 alvinegra (Foto: divulgação)

DB: Que análise você faz do atual momento do futebol brasileiro?

MZ: O nosso atual momento não é bom. Primeiro, precisamos assumir isso. Depois, buscarmos evoluir como pessoa e profissionalmente. Temos que entender que o futebol mudou, nos atualizarmos, mas não podemos esquecer as nossas essências.

DB: Qual a saída que você acha que é a ideal para que possamos retomar o posto de “país do futebol”?

MZ: Sinceramente não tenho essa resposta, mas acredito muito no trabalho, no dia a dia. Temos que parar de copiar tudo o que é feito lá fora. Eles têm muitas coisas boas, mas nós também temos. Temos sempre que buscar evoluir, estudar, trocar ideias… Costumo dizer que o futebol não é uma ciência exata. Não podemos podar nossos atletas de dar um drible, de fazer uma jogada de efeito… Temos que ter mais alegria e responsabilidade para jogar futebol. É isso que eu acredito que temos que passar aos nossos atletas.

DB: Clubes e CBF estão, frequentemente, discutindo o calendário do futebol de base no Brasil. O que você acha que deve ser feito nesse sentido?

MZ: Eles discutem e não resolvem nada. Precisamos, aqui na base, de mais torneios nacionais. Temos que enfrentar escolas diferentes, modelos de jogo diferentes, só assim vamos conseguir com que eles se desenvolvam.

Comente


NOTÍCIAS RELACIONADAS

Da Base